26 de janeiro de 2021

Home » Destaques » Vigilância contra doença da vaca louca tem que ser constante, alerta Idaron

Vigilância contra doença da vaca louca tem que ser constante, alerta Idaron

A Encefalopatia Espongiforme Bovina – EEB, mais conhecida como doença da vaca louca, teve seus primeiros casos ocorridos na década de 80 na Europa. A doença é causada por uma proteína chamada príon, que pode ser transmitida aos ruminantes (principalmente bovinos) quando alimentados com ração contendo farinha de carne e ossos de animais com a doença.

Além disso, a doença pode ser transmitida ao ser humano, se ele comer determinados produtos de um animal que tenha contraído a doença.

DOENÇA DA VACA LOUCA

É uma doença que afeta o sistema nervoso, principalmente dos bovinos e até mesmo do homem, causando mudanças de comportamento, andar cambaleante, paralisia e sempre leva à morte. Por fazer com que os bovinos fiquem com o comportamento alterado, a enfermidade ficou conhecida como doença ou mal da vaca louca.

O Brasil nunca registrou caso dessa doença, que é de grande risco à saúde pública. A Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril de Rondônia (Idaron) orienta os criadores de ruminantes, que são os bovinos, bubalinos, ovinos e caprinos quanto aos cuidados com a alimentação dos seus animais, informando da proibição do uso de proteínas e gorduras de origem animal na sua alimentação.

Segundo o Presidente da Idaron, Júlio César Rocha Peres, se a doença fosse introduzida no país, levaria à perda de bilhões de dólares pela restrição da exportação de carne bovina.

Rondônia tem mais de 14 milhões de cabeças de gado bovino, sendo o 4º estado brasileiro que mais exporta carne bovina no país, e o Brasil é o maior exportador de proteína animal do mundo, por isso a preocupação para que a doença não chegue até nosso rebanho.

TRANSMISSÃO

A doença é causada por uma proteína infectante chamada de príon. Sua principal forma de transmissão em ruminantes é por alimentos contento proteínas e gorduras de origem animal, como farinha de carne e ossos, cama de frango e resíduos da criação de suínos. Já no homem, a transmissão acontece através da ingestão de carne contaminada.

ORIENTAÇÕES

É proibido no Brasil o uso de qualquer tipo de alimento que contenha proteína ou gordura de origem animal, como farinha de carne e ossos, cama de frango e resíduos da criação de suínos, na alimentação de ruminantes. Também é proibido o uso de rações próprias para aves, suínos, equinos e peixes na alimentação de ruminantes.

Caso o produtor prepare em sua propriedade ração, concentrados ou suplementos proteicos para alimentação de aves, suínos, equinos e peixes, não utilize os mesmos equipamentos e utensílios para a manipulação de alimentos destinados a ruminantes, devido ao risco de contaminação.

FISCALIZAÇÃO

De acordo com Coordenador do Programa Estadual de Prevenção e Vigilância da Encefalopatia Espongiforme Bovina – EEB, Dalmo Bastos Sant’Anna, a Agência Idaron realiza fiscalização de alimentos para ruminantes, nas propriedades rurais que usam suplementação do rebanho. O objetivo da visita é certificar que os animais não estão consumindo alimentos que contenham em sua composição proteínas e gorduras de origem animal.

Outra fiscalização feita pela Agência é relacionada a cama de frango, que é composta pelo material usado para forrar o piso do aviário, que pode ser de palha de arroz, maravalha, feno de capim ou serragem com fezes, urina, penas e restos de ração, provenientes das granjas comerciais de aves. Esse material, rico em proteína de origem animal, não pode ser consumido por ruminantes. A Idaron controla a venda do produto e verifica, nas propriedades que adquiriram a cama de frango, o seu destino, que é a adubação de hortas e de pastagens.

Além disso, a Idaron ainda fiscaliza a utilização da farinha de carne e ossos adquirida pelos produtores rurais. Essa farinha é produzida em estabelecimentos com inspeção federal e é comercializada com a finalidade de produzir ração para animais não ruminantes.

VIGILÂNCIA

A EEB está incluída no sistema de vigilância da raiva. Isto significa que, quando a Agência Idaron recebe a notificação da existência de um ruminante com sinais nervosos, todo um processo de vigilância é iniciado. A Agência, num prazo de 12 horas, envia um médico veterinário à propriedade, para verificar se é mesmo de um caso suspeito de doença nervosa. Sendo o caso confirmado, é feito o acompanhamento do quadro e, vindo a óbito o animal, ocorre a coleta de material para diagnóstico de raiva e EEB. Num primeiro momento é realizado o exame laboratorial para diagnóstico da raiva. Os resultados negativos para a raiva são, então, encaminhados para um laboratório oficial do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), para o diagnóstico de EEB.

Frigoríficos com inspeção oficial (SIF-federal e SIE-estadual) também enviam amostras de material de bovinos abatidos para diagnóstico de EEB, seguindo critérios definidos pelo MAPA.

Você pode ajudar a manter nosso Estado livre da doença da vaca louca, caso observe algum ruminante com sinais nervoso, comunique imediatamente `Agência Idaron.

Denuncie o uso de farinha de carne e osso, cama de frango e resíduos da criação de suínos na alimentação de ruminantes.

DISQUE DENÚNCIA 0800 704 9944

DISQUE IDARON 0800 643 4337

Vigilância contra doença da vaca louca tem que ser constante, alerta Idaron Reviewed by on . A Encefalopatia Espongiforme Bovina – EEB, mais conhecida como doença da vaca louca, teve seus primeiros casos ocorridos na década de 80 na Europa. A doença é c A Encefalopatia Espongiforme Bovina – EEB, mais conhecida como doença da vaca louca, teve seus primeiros casos ocorridos na década de 80 na Europa. A doença é c Rating:
scroll to top